Beth Baldi

 

Reproduzo a seguir um poema da polonesa Wislawa Szymborska para trazer uma reflexão (dentre as tantas possíveis) e uma homenagem aos mestres neste mês em que comemoramos o seu dia.

 

A Vida na Hora

A vida na hora.
Cena sem ensaio.
Corpo sem medida.
Cabeça sem reflexão.

Não sei o papel que desempenho.
Só sei que é meu, impermutável.

De que se trata a peça
devo adivinhar já em cena.

Despreparada para a honra de viver,
mal posso manter o ritmo que a peça impõe.
Improviso embora me repugne a improvisação.
Tropeço a cada passo no desconhecimento das coisas.
Meu jeito de ser cheira a província.
Meus instintos são amadorismo.
O pavor do palco, me explicando, é tanto mais humilhante.
As circunstâncias atenuantes me parecem cruéis.

Não dá para retirar as palavras e os reflexos,
inacabada a contagem das estrelas,
o caráter como o casaco às pressas abotoado –

eis os efeitos deploráveis desta urgência.

Se eu pudesse ao menos praticar uma quarta-feira antes

ou ao menos repetir uma quinta-feira outra vez!
Mas já se avizinha a sexta com um roteiro que não conheço.

Isto é justo – pergunto
(com a voz rouca
porque nem sequer me foi dado pigarrear nos bastidores).

É ilusório pensar que esta é só uma prova rápida
feita em acomodações provisórias. Não.
De pé em meio à cena vejo como é sólida.
Me impressiona a precisão de cada acessório.
O palco giratório já opera há muito tempo.
Acenderam-se até as mais longínquas nebulosas.
Ah, não tenho dúvida de que é uma estreia.
E o que quer que eu faça,
vai se transformar para sempre naquilo que fiz.

(Do livro Wislawa Szymborska [poemas], Cia das Letras, 2011.)

Os professores e as escolas, por existirem em função do ensinar e do aprender, do educar e do desenvolver potenciais, têm a chance de se organizar em torno desses objetivos, quanto mais conscientes forem da responsabilidade de sua atuação. Diferentemente, então, do que diz a poeta sobre nossa vida em geral, e pensando num plano ideal, é possível para os professores se prepararem para improvisar menos e serem menos amadores em seus ambientes profissionais. Em seus incansáveis preparativos – lendo e estudando, observando e ouvindo, escrevendo e se reunindo para conversar, planejar, analisar e construir alternativas -, refletem juntos sobre as suas ações para que, a cada nova semana que se avizinhe, conheçam melhor o roteiro e aprimorem sua performance, gostando mais do palco e vivendo com maior segurança e êxito a sua estreia de cada dia!

Todavia sabemos que um tanto de risco permanece nesse métier e que os constantes desafios inerentes a ele nos fazem, em muitos momentos, ter de improvisar, o que não é mau de todo, pois nos mantêm vivos e alertas. Sabemos que é preciso, igualmente, aprender em meio à própria cena vivida, acreditando em si e no outro.

Sim, a vida na sala de aula pulsa o tempo todo e, muitas vezes, é a intuição que irá nos guiar. Por isso mesmo, é importante estudar e planejar, para que essa percepção, mesmo intuitiva, seja cada vez mais refinada e tenha mais chance de ir ao encontro dos objetivos pensados, ainda que com adaptações de acordo com o que as crianças e os jovens nos mostram durante o caminho. Também por isso faz uma enorme diferença estarmos juntos, em equipe, nos ajudando uns aos outros e nos apoiando para aproveitar da melhor maneira essa energia e esse movimento constantes, sempre renovados e renovadores, da sala de aula. Vivendo de forma colaborativa os bastidores de nossas aulas, formamos os vínculos e as redes de sustentação necessárias para desfrutar dessa instigante aventura em sua plenitude, encarando os desafios como estímulos para avançar e, indo além de sinais como sorrisos, olhares, abraços e apertos de mãos, para usar também a palavra nessa troca imprescindível de apoios, questionamentos, elogios e críticas.

Nesta comemoração do dia do professor nosso blog saúda todos os mestres, celebrando esse espetáculo que é o seu trabalho. Ainda que nem sempre devidamente prestigiado, e até em função disso, desejamos que todos os que o escolheram compartilhem da alegria que o cerca e se orgulhem de seu papel, seguindo na luta por sua valorização!

Parabéns, professores! Palmas (de pé e pedindo bis) a vocês todos!