Celso Gutfreind

Psicanalista e escritor

990087_cronica-dos-afetos_z2_636638835087801684Desde criança, aprendi a cultivar a tolerância e a me defender do preconceito. Acho que a lição veio de casa, porque o Derrida ainda não tinha falado em hospitalidade e em respeito ao outro, pelo menos não para mim. O que faço é longe do ideal, mas costuma funcionar. Sem ser religioso, tenho amigos devotos, incluindo um padre, um pastor e um rabino. Aprendo muito com a cultura que me alcançam. Tenho fé de que nos tornamos melhores depois de encontrar alguém diferente. Ninguém é igual.

Também entro pouco no mundo dos negócios e negocio o mínimo necessário para tocar meu negocinho. Mesmo assim, presto atenção no que contam as empresas. Elas agora dizem que a seleção de executivos não está mais só de olho nos “melhores alunos”. Já não basta estudar em faculdade de prestígio, tampouco mostrar alto desempenho. Notas dez estão meio em baixa. Durante o processo, avaliadores procuram a pessoa dentro da pessoa e vasculham as entranhas onde há, especialmente, afetos. Desejam saber que ser humano é o candidato. Sentiram que importa menos alguém inteligente que deixe a desejar nas emoções. Conta ainda uma segunda língua – inglês, de preferência. Somam pontos o espanhol, o francês e até o mandarim, mas nem tudo é número. Ser poliglota já não tem o mesmo peso: vale mais uma língua no coração do que duas na cabeça.

Não pega bem calar-se com frieza, se dar mal com os outros, ter pouca empatia. Indispensável saber relacionar-se, conversar, estar junto, pensar além da informação, hoje disponível a qualquer clique. O domínio da tecnologia está cada vez mais importante, mas não são menos relevantes as poesias lidas, os romances percorridos, as músicas escutadas, as idas ao cinema. E os parques. Além disso, as amizades que guardamos. Antes ainda, os cuidados às crianças que fomos e a atenção ao bebê que de certa forma nunca deixamos de ser.

Eu desconfiava. Agora sou informado por amigos empresários que cultivo desde aquela tolerância anterior ao Derrida. Só não me contaram o que vai dar de tudo isso. Se vai acalmar a selva da vida humana e tornar o mundo mais respeitoso. A considerar o atendimento das companhias telefônicas, não ainda. Porém, a criança eterna dentro de mim já se enche de esperança.

Ontem fui caminhar na praça. Perto do pipoqueiro, tinha uma mãe fazendo bilu-bilu na filhinha. Ela produzia umas cócegas de tão alto nível que me deu vontade de sentir também. Qualidade total de carinho. No meio das gargalhadas, lançava um olhar tão intenso que parecia cumprir todas as metas. Ficou. Senti em mim aquele olhar (estou sentindo ainda). Só depois de um tempo voltei a pensar, e pensei que a guriazinha talvez nem precise aprender inglês quando crescer. Se eu fosse dos recursos humanos, guardaria a vaga para ela.

 

(*) Do livro Crônica dos Afetos – a Psicanálise no Cotidiano, Ed. Artmed, 2016 (págs. 144 e 145). Segue o link para a página do livro no site da editora: https://loja.grupoa.com.br/cronica-dos-afetos-p990087